A dança da alegria

A dança da alegria - CA Ribeiro Neto

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Versos perdidos na desconcentração

Essa poesia nasceu de uma vontade de escrever poesia, mas a falta de concentração me impedia de concluir as poesias que eu começava. Assim, depois de várias poesias perdidas numa folha, reorganizei os versos em outras estrofes e montei uma poesia só. A poesia formada fala de mim e do meu processo com a poesia.


VERSOS PERDIDOS NA DESCONCENTRAÇÃO


Que tal fazer uma poesia
Com versos achados
Em estrofes perdidas?

Drummond me deu uma lição
Mas, das vezes que fui gente,
O amor em negação.

Tudo que para mim converge,
Leva-me à crônica.
Sou a bomba que não explode,
Mas, de certo, não me condenarias.

Acho que você não me entende,
Mas você saberia
Quem abandonou quem:
Eu ou a poesia?

(Só para não virar um soneto,
Um verso perdido)
Como é triste um choro contido.



CA Ribeiro Neto
--------------------------------------------

* Desculpem a falta de comentário no blog dos amigos quinteiros!
* Mas é a Livraria Cultura em processo de montagem de loja!
* Estou estupendamente dolorido! Tudo dói!
* Mas a loja está ficando bonita que é uma beleza!
--------------------------------------------

ESCUTANDO NO MOMENTO: De frente pro crime - João Bosco e Daniela Mercury - Cidade do Samba

LENDO NO MOMENTO: 21 Contos inéditos - Carlos Lacerda - pg. 155

Boa Sorte

5 comentários:

Xisberto disse...

Tá muito bom! Tão bom que não tenho palavras para descrever!

Esse meu irmão me enche de orgulho!

Jéssica de Sousa disse...

Olha ai! uma poesia q eu gostei

agora foi!

.Emily~ disse...

"Quem abandonou quem:
Eu ou a poesia?"

A parte que mais me chamou a atenção no poema. Realmente deve ser difícil saber quem abandona quem, provavelmente pode ser as duas coisas - daí a dificuldade de escrever, né?

E CA safado, já botei o teu link do meu blog, eu não sei como ele foi sumir ali. Comentou só isso e mais nada né D: assim tem nem motivação direito pra ficar nos blogs de quinta. u_u

Thiago César disse...

realmente, pra mim pareceram versos soltos...

Marcília Sousa disse...

Interessante que as estrofes perdidas tornou-se uma bela poesia!! Muito bom!!

Beijos!!



*Tentado tirar o atraso nos comentarios...hihihi!!