A dança da alegria

A dança da alegria - CA Ribeiro Neto

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

DUàSA 3/11

Prosseguindo com o conto 'Do Desenho Urbano à Sombra das Árvores'. Lê-lo.


III

A aula de Marta acabou às 12 horas, ela passou na lanchonete em frente a faculdade, comprou um suco industrialmente fabricado e foi para a praça onde o encontro foi marcado, que fica na próxima esquina.

Quando ela chega lá, percebe que a praça é grande demais para servir como único ponto de referência, e que eles deviam ter marcado um lugar mais específico, mas ela resolve se sentar no único banco com sombra que havia na praça.

Chega o horário de almoço de Mário e ele corre para o canto marcado. No caminho, percebe que não sabe quem ela é, não olhou o rosto dela, não se lembra da roupa que ela usava, então, quando chegou na praça, foi para um orelhão que estava do lado de um banco, o único que estava na sombra.

O celular do cara começa a tocar, mas Marta não precisa nem atender, reconheceu-o no orelhão e chamou-o para o banco:

- Moço! Quer atender seu próprio celular?

(Risos de ambas as partes)
Mário se senta ao lado da moça e se apresenta:

- Muito obrigado por guardar meu celular! Meu nome é Mário...

- O meu é Marta! Muito prazer – falou ela, meio que interrompendo o que ele falava, com um certo nervosismo. Marta era assim mesmo, se agoniava quando estava apreensiva – Essa vida está uma correria só, né?

- É verdade. A sociedade atualmente está nos engolindo com esse excesso de compromissos de horários marcados. Tudo isso aconteceu porque eu tava tentando descontar o sono que eu não deixei na cama. Estudar e trabalhar não é fácil, mas se meu sonho exige isso, por mim, tudo bem.

- Que bonito, qual o seu sonho?

- Me formar em Direito, servir minha profissão e também tenho planos políticos.

- Que massa! Eu faço Ciências Sociais aqui nessa faculdade. A política também está em meus planos!

- Eu adoraria conversar sobre isso, mas tenho que voltar pro meu trabalho. Quando você quer pela devolução do celular?

- Nada! O que estou fazendo é uma gentileza!

- Ops! Então me desculpe, você sabe como está o mundo hoje! E obrigado pela generosidade!

- Por nada! A gente se encontra por aí! Tchau!

- Tchau!

C. A. Ribeiro Neto
------------------------------------------------------

* Férias, doce férias!
* Novas aquisições literárias: Dona Flor e Seus Dois Maridos, Estorvo, Benjamim e Triste Fim de Policarpo Quaresma.
* Só.
-----------------------------------------------------

Escutando no momento: Zé Ferreira, Trepa no coqueiro - Martinho da Vila
Boa Sorte

6 comentários:

C. A. Ribeiro Neto disse...

...

Marcella disse...

Apesar do texto realmente ter me gerado certa curiosidade para saber como o destino deles vai se cruzar novamente, essa curiosidade é mais gerada por conhecimento prévio dos outros textos, suponho.
Acho que faltou algo nesse texto, não sei bem o que.
Gostei mais do primeiro ate agora.

Marcella disse...

Quanto a ser mitologia... pode ter seu ônus, mas acho realmente muito arriscado.

beijos

Thiago César disse...

pronto, comentei!

Maiana disse...

O desenrolar da história está bom!no cotidiano é assim mesmo, muitas pessoas são desconfiadas e quando não se conhecem direito, há uma frieza entre elas!
Ainda tem muito pela frente!

Hermes disse...

Texto está corrido, mas faz parte do estilo dos outros também.
Vamos ver o que acontece.