A dança da alegria

A dança da alegria - CA Ribeiro Neto

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Quando meu coração parar

'Quando meu coração parar' foi escrita num carnaval em Guaramiranga. Logo depois do final da banda Fulano Falando, eu e Rafael Parente, baixista da referida banda, ficamos mais próximos e compomos duas músicas - letra minha e música nossa. Essa escrita aqui abaixo, virou um forrózim, mas que, como não construímos uma outra banda de fato, essa música ficou apenas na lembrança de um momento bom. O estrofe que falei na semana passada é o último, adoro ele, mas o começo é muito elementar, não gosto muito. Próxima semana estou em dúvida se posto um conto grande, dividido em capítulos ou uma série de poesias de uma palavra só que tenho, o que vocês preferem?


Quando meu coração parar

Vou te esquecendo na medida do possível,
Mas na verdade ainda dói.
O que acontece é até meio previsível,
Mas mesmo assim ainda corrói.
No nosso amor tudo era muito bonito,
Não só embaixo dos lençóis.
Quando me lembro do fato ocorrido,
Chorando, eu penso em nós.

Se meu coração para de bater
Quando você passar,
É que demorei a te esquecer,
mas terei chegado lá.

- Que cidade pequenina,
Olhando-a daqui de cima
E eu escutei o seu sorriso...
Entre milhares de habitantes,
Te vejo, a todo instante,
Em outros rostos femininos.

CA Ribeiro Neto
----------------------------

* Que chegue logo outubro, preciso descansar...
* Direito ambiental, eu odeio você.
* PSB, me aguarde...
* www.aondeeuestavamesmo.blogspot.com
----------------------------

ESCUTANDO NO MOMENTO: É tão triste cair - Nelson Cavaquinho - Programa Ensaio - No final dessa música perguntam por Paulinho da Viola, então que ele diz: "Ah, eu tenho Paulinho como a... Chico Buarque, não posso lembrar o nome de todos, tem Gilberto Gil, tem uma infinidade de meninos por aí que são perigosos, hein!"

Boa Sorte

9 comentários:

Hermes disse...

Bom, gutão, as rimas ficaram simples, mas não vejo problema nisso. As rimas da primeira estrofe, né.
Essa parte do "Se meu coração para de bater" é um refrão? Achei ele com cara de refrão, é como se fosse o verso de ouro. Aquele que explica direitinho o poema todo. Ao meu ver. Mas a melhor estrofe foi a última, que tem uma sinestesia muito bonita, escutar o sorriso, achei legal.
Mas eu queria era ouvir. Tu tem que gravar essas músicas aí, arranja músicos no BNB e vai porra, dhaushdauhdusahd.

Hermes disse...

Ah, e eu não vou escolher, poesia de uma palavra ou conto grande, pq de ti eu quero CRÔNICAS. kk Ao menos nesse momento, e de preferência, inédita.

Thiago César disse...

caralho, eu keria tah lah pra saber como ficou isso musicado! hahai!

mash, proxima serie bota a dos poemas escritos por ti no estilo dos outros do blogs de kinta, q nem tu disse q tava pensando em fazer, vah lah! YES!

Freddy Costa disse...

Macho, não me conformo com esses "YES" do cabeça...
Enfim, cantei meio que em forma de xote, depois tu cantarola ela pra mim, pra ver se captei direito...
Acho que sempre escolherei poesias ao invés de contos, não saberia explicar o motivo...

Marcella disse...

A sensação que tenho na maioria das vezes que te leio é que ficaria muito melhor como música do que como poesia, não sei bem porque, mas sei que preciso te escutar.

A metade do final tá bem superior a metado do começo, na minha opinião.
A primeira estrofe me lembrou o seguinte:

"Tão correto e tão bonito
O infinito é realmente
Um dos deuses mais lindos
Sei que às vezes uso
Palavras repetidas
Mas quais são as palavras
Que nunca são ditas?"

E concordo que o ponto forte foi a última estrofe que brilhou com a o som do sorriso.

Beijos, amigo.

Mehazael disse...

Cara, vou concordar com a tua própria opinião. Se bem que não achei o início tão ruim qt você acha que ficou. Talvez alguma pequena revisão ou modificação aqui e ali, mas não precisa jogar fora, não.
Quanto ao final, realmente gostei bastante (embora não ache tão superior a suas outras criações). Ficou bem legal. Fiquei até com vontade de ouvir agora. Não tem como postar uma versão musicada, não? heheheh
Abração!

Fau disse...

Realmente a última estrofe ficou muito boa... forró? quero ouvir... adoro!

Poesia de uma palavra, só? Quero ler...

abraços,

Vilminha disse...

oi amigo passando pra divulgar o blog da minh afilha a Mimi http://michelletrindades.blogspot.com/ beijos e uma boa semana.

A moça da flor disse...

acho que conseguir apreender a essência das suas poesias. É a simplicidade. Mas é uma simplicidade boa de ser ver porque não é piegas. Você usa alguns elementos bacanas que sempre dão um brilho a elas. O lance do escutar o sorriso foi muito bom! Deu uma personificação ao sentimento!

Mas tou sentindo falta das tuas crônicas também i-i

Beijos!
Feliz aniversário, neguinho!
Xero no ôi!