A dança da alegria

A dança da alegria - CA Ribeiro Neto

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

O Coelho que perdeu da Tartaruga e o Tigre

Bem, encerrando, por enquanto, a série 'O Recado está dado', 'O Coelhor que perdeu da Tartaruga e o Tigre' é uma fábula que demorei quase 3 anos para terminar. Iniciado em 2007, acredito que perceberam no próprio texto o que foi escrito naquela época e qual foi escrito no final de 2009. Eu até tentei explicitar uma moral da história, mas prefiro que cada um retire a sua!




O Coelho que perdeu da Tartaruga e o Tigre.

Depois de perder para a Tartaruga na corrida, o Coelho foi, cabisbaixo, para sua toca. No meio do caminho, encontrou o Tirano Tigre que, na falta de um leão, se tornou Rei. Muito ironicamente ele falou para o Coelho:

- Oh, pobre Coelho! Toda a floresta já sabe do seu desespero!
- Ora, deixe-me sozinho! Pior que perder é escutar tantos cochichos!
- Veja como fala comigo! Lembre-se de quem sou, não seja cínico!
- Espero que me compreenda, mas vou me retirar. Com sua licença...
- Antes de se despedir, eu também lhe desafio, para que que agora perca de mim!
- Quem sou eu para disputar com tão ilustre realeza? Não vou ganhar, disso eu tenho certeza...
- Não aceito um não como resposta. Você deve ter é gratidão por essa minha proposta! Partiremos do Vale do Algodão, passaremos pela Encosta do Rio Mangueirão e a reta final será num canto que jamais esquecerão: o Precipício do Antigo Leão; quem não cair, será o campeão!
- Já que não tenho escolha, vou me preparar com minha amiga raposa. Até qualquer dia, Vossa Senhoria!
- Nada disso, Coelho gaiato, antes de ir embora, assine este contrato. Com sua via, chegue aqui amanhã, por volta do meio-dia, pois quero lhe deixar logo como um rato ou quem sabe uma cotia!

De contrato em punho, o Coelho correu para pensar o que faria.
No dia seguinte, no horário combinado, lá estava o Tirano Tigre preparado, quando o Coelho chegou, meio ressabiado, e foi logo cumprimentar seu adversário:

- Boa tarde, Vossa Realeza, por um acaso o senhor não deseja que eu desista logo, encerrando, assim, este diálogo?
- Claro que não, seu molenga! Alongue-se logo para que não tenha nenhum problema!
- Pois não, Vossa Tigresia! Já tive tremelique, asia, até uma disenteria, por isso acredito que o meu organismo já está preparadíssimo!
- Que assim seja, vamos ao ponto de largada, como choveu um bocado hoje, a estrada está enlameada, então, cuidado com as derrapadas! (quando o Tirano Tigre dá uma grande gargalhada).

O Tirano Tigre era arrogante, mas não era burro, sabia que o Coelho perdeu para Tartaruga, mas não deixou de ser rápido. O rei fajuto também era, mas como ele não queria arriscar, mandou complicar o percurso para garantir a vitória e depois só comemorar.

A coruja foi a convidada de honra para acionar a sirene de largada, então os dois partiram, com uma certa vantagem para o Coelho. Ainda no Vale do Algodão, o Coelho ficou encoberto no meio da plantação e não percebeu a teia de aranha reforçada que o Tirano Tigre mandou colocar para enlaçá-lo. Caiu na teia quando o grande felino pula por cima dele e toma a liderança.

Sem conseguir sair, acabou recebendo a ajuda de sua amiga raposa que, esperta, já imaginava as maracutaias que o Tigre iria aprontar:

- Amigo Coelho, eu já imaginava que esse Tigre não receberia bons conselhos! Vou salvar-te desse novelo para que ganhes essa corrida com zelo!
- Obrigado, amiga raposa, serei eternamente grato por vossa nobreza! É certo que sua esperteza não é sinônimo de safadeza, sua honestidade é tesa!

Então, Coelho correu o mais rápido que pôde para recuperar a desvantagem que tinha do Tirano Tigre. Nas proximidades do Rio Mangueirão, o Tirano passou a correr mais vagarosamente, com medo de cair dentro d'água, seu trauma de infância.

Com isso, o Coelho conseguiu se aproximar até chegar a ponto de ultrapassá-lo, quando mais um truque do Tigre foi acionado: o Coelho foi desequilibrado por um vôo baixo do corvo, assessor particular do rei, o que fez a lebre cair dentro do rio.

Como o Coelho não sabia nadar, ficou a se espernear dentro d'água, quando alguém inesperado emergiu das águas doces do Mangueirão: a Tartaruga campeã socorreu seu antigo adversário, pois este não merecia perder dessa forma. Em meio à tosses, o Coelho agradeceu:

- Oh, Tartaruga, muito obrigado, saiba que aprendi muito com o recado que em nossa corrida me foi dado.
- Por nada, Coelho, mas ande, corra sem demora, não vá deixar agora que aquele déspota consiga a glória!

Então, o Coelho retomou a corrida que já se despontava ao fim. O Tigre já pousando soberano, desfilava numa alegria terrível. Quando todos lá trás gritavam a aproximação do Coelho, o Tirano se enfezou e correu como pôde para terminar de vez a corrida. Correu tanto e tão ferozmente que, não conseguiu parar a tempo de cair no Precipício do Antigo Leão. Logo depois chegou o Coelho, que não se aperreou e freou sua chegada sem acabar com sua vida. O Precipício que antes tinha o nome de um rei, agora se chama o Precipício Dos Que Se Proclamam Rei.

O Coelho, que não comemorou em respeito ao incidente, se afastou com os amigos alegres e contentes; aproveitando para discutir a eleição da Raposa para Presidente.

CA Ribeiro Neto
----------------------------------------

* PC sem HD, é bem mais complicado! Sorte a minha que Linux roda apenas com o cd de instação...
* Sem mais.
----------------------------------------

ESCUTANDO NO MOMENTO: Nada.

LENDO NO MOMENTO: Almanaque Armorial - Ariano Suassuna - Pg. 85.

Boa Sorte

8 comentários:

Le Babiot disse...

Título Alternativo:A melô dos malas!..Hauhau, texto legal, cara, oh!!

Pedro Gurgel disse...

eu diria,
que só vence quem,
por mais que goste de prosa,
fale sempre em poesia...

alô, alô, mwu Brasil, àquele abraço!

Marília Maia disse...

Show Carlinhos, ri muito!!!... que imaginação... rsrsrrs, amei!

Marcella disse...

Definitivamente muito imaginativo.

Só não entendi porque o rei ia querer desafiar um cara q acabou de perder pro animal mais lento da floresta (em terra pelo menos).
:X
Licença poética e eu sendo chata. hehehehe


E no fim, a parte que o Tigre cai no precipício, tipo, dá pra entender, mas acho que ficou confuso.

No mais, o texto está bem escrito.
Bom ler uma fábula pra variar. hehehe
Legal.

Thiago César disse...

ficou realmente bem trabalhada a fabula. mas no titulo nao tem dizendo q o coelho perdeu do tigre?

Marília Maia disse...

Não Thiago,
o título é O Coelho que perdeu da Tartaruga e o Tigre. Mas, se tirasse "que perdeu da Tartaruga" ficaria então assim: O coelho e o Tigre, simplesmente... sem uma ligação direta que o coelho teria perdido tb para o tigre.
Eu acho!? confirma ai Carlos...

Paulo Henrique Passos disse...

Repleto de política hein! E essas falas rimadas, muito massa!!

Naturalmente, acho que o que foi escrito em 2007 foi o começo da fábula, até porque, também, ele é mais abrangente, diagamos assim, depois vai se espscificando.

E ah se tivesse um precipício desses pros "nossos" governantes.

Hermes Veras disse...

Cabra safado.