A dança da alegria

A dança da alegria - CA Ribeiro Neto

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Sem Sair de Sua Órbita

Penúltimo texto da série 'Pequenos Textos, Grandes Recados', Sem Sair de Sua Órbita nasceu sem intenção de ser um texto pequeno, mas quando eu terminei o primeiro estrofe, vi que ele já dizia tudo que eu queria dizer, então deixei dessa forma.

Sem sair de sua órbita

Você é o sonho realizado
De uma mente utópica.
Você é a sílaba forte
Do meu grito de vitória.
Você é a lua que protege a Terra
Sem sair de sua órbita.

C. A. Ribeiro Neto
--------------------------------------------------

* Vem novidade por aí.
* Estou bastante pensativo em todas as áreas de minha vida.
--------------------------------------------------

ESCUTANDO NO MOMENTO: Fanatismo - Fagner
Boa Sorte

7 comentários:

Thiago César disse...

eh o bom...
cara de poesia inacabada mesmo...

mash...
"Vem novidade por aí"
e...
"Estou bastante pensativo em todas as áreas de minha vida."
eh meuzovó!

:P

Marcella disse...

Pequenos textos, grandes recados.
Preciso, objetivo, parece até coisa de engenheiro.
kkkkkkkkkk
Brincadeira besta, desconsidere.

Esses versinhos ditos ao pé do ouvido olhando para praia e para lua...
Já pensou?

beijos

Pedro Lindão disse...

Fora de órbita, dentro de um oceano.

quando penso ter me encontrado no mundo.
descubro um vasto universo.
transmitindo em sinais gravitacionais mudos
que tudo é mais amplo do que penso.
calo-me num pensamento profundo,
mergulho, mergulho tão fundo,
que me acho no oceano.
fora de mim.
fora de minha órbita.

nós humanos somos desgraçadamente engraçados:

buscamos tudo fora de nossa órbita,
e encontramos mais dentro de nós mesmos.

Hermes disse...

Estou meio perdido, andando solitário mas sem sair de órbita. Boa poesia, obrigado por me divertir por algum tempo, continue escrevendo e escrevendo e escrevendo e escrevendo e escrevendo e escrevendo. Vou voltar agora, sem medo e reclamação, para a escuridão massiva do nada.

Imcompreendida disse...

Realmente, não precisava de mais nada...

um abraço,

Gabriela benigno disse...

^^ bela poesia carlinhos:D
linda, assim como a maioria das coisas que vc escreve^_^
ela fala muito de reis...hauhauh não é viagem, não! alias no mundinho particular, com teias de arranhas ou com arco-íris, somos como reis...estamos em nossa órbita..as vezes fantasiamos o que nem existe..mas podemos sim fazer isso..pq é nosso mundo...

por outro lado..pode ser tbm vista como uma singela e bonita declaração:D

Paulo Henrique disse...

"lua que protege a Terra
Sem sair da sua órbita."

Às vezes é difícil não sair da órbita quande se ama. Esses versos, por exemplo, são "exorbitantemente" uma declaração de amor.

"Sem sair da sua órbita": conquistar e ser conquistado naturalmente, sendo você mesmo, sem sair da sua órbita. é isso aí!!