A dança da alegria

A dança da alegria - CA Ribeiro Neto

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Do Desenho Urbano à Sombra das Árvores 11/11

Encerrando os capítulo desse conto, com um final, para uns, perfeito, para outros, não há um ar de grande final, resolvi deixar como está, pois adoro uma polêmica...


XI

Como o PCS e o PEC adotaram a mesma filosofia, a corrida eleitoral ficou bastante inusitada. A imprensa bem que tentou, mas não conseguiu ofensas. Os debates televisivos pareciam encontros de bar e um bocado de “que vença o melhor” para todos os lados.

A cidade inteira achou tudo muito engraçado, mas também ninguém reclamou. Para se ter uma idéia melhor da situação, até comícios foram feitos no mesmo palco, sem que houvesse uma briga sequer.

Mário e Marta viraram ícones dessa mudança, participaram de vários eventos, deram entrevistas e ganharam destaque em seu devidos partidos.

Na véspera das eleições, diante das circunstâncias, a comissão eleitoral do município abriu a exceção para um último comício. Este foi organizado pelo jornal que lançou toda essa história e contou com diversos artistas da região, candidatos a prefeitos e vereadores das duas coligações e o casal de namorados.

No entanto, o comício se atrasou devido a um grande impasse. Mário e Marta só falariam juntos se mudassem o trio elétrico de lugar. Tinha uma sombra de árvore bem próxima lá...

(Risos de ambas as partes)


C. A. Ribeiro Neto
----------------------------------

* Na próxima semana, começo a série de poesias 'Cá entre nós'
* Já tou querendo aula...

* Quero um emprego... tem algum pra mim?
---------------------------------

ESCUTANDO NO MOMENTO: Know-how - Ed. Mota

Boa Sorte

6 comentários:

Hermes disse...

estou gostando do rumo que a história está indo. Não peço mais detalhes porque nesses tempos em que não temos tempo, é bom uma coisa mais direta, e está agradável de ler.

Abraços dos afogados!

Marcella disse...

Povo bonequeiro
:p

Já pensou, Carlinhos, uma reunião política em que o comdante da mesa não saísse com a garganta inflamada?
Só mesmo com sombra e água fresca para pensar nisso... e olhos fechados.

beijos

Thiago César disse...

¬¬

Paulo Henrique disse...

O riso é realmente poderoso. Durante toda a história, eles riram juntos,por isso que deu certo.

O final foi bom: simples e dizendo tudo.

Às vezes (quase sempre)o final me vem quando acho q não tem mais nada pra escrever. é aquela história de deixar a história se levar.

Vilminha disse...

oiee, Imagine se política terminasse de maneira calma seria muito bom. Vou ficar no aguardo das poesias. Todo mundo reclama de aulas e quando elas terminam aí dá-lhe saudades. Espero que o emprego pinte logo. Boa sorte. Beijos e um ótimo final de semana

Hermes disse...

eu exijo o 2