A dança da alegria

A dança da alegria - CA Ribeiro Neto

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Aplausos

Bem, 'O recado está dado' é uma série de crônicas que tem algo em comum: alguém passa um recado para outro (s). E começo com 'Aplausos', uma crônica que aborda, ou pelo menos tenta, o casamento de forma bem humorada. Boa leitura!


Aplausos


Depois do casamento na Igreja Matriz, todos foram para o buffet perto dali.

Uma banda tocava as já tradicionais músicas dos anos 50 e 60, indo de vez em quando à década de 80. Alguns dançavam no salão, sobretudo as tias que adoram gastar a aposentadoria em hidroginástica e viagens. Alguns conversavam nas mesas, sobretudo os homens da família que só conversam sobre futebol e, o que é pior, futebol local. E muitos, muitos mesmo, comiam, sobretudo os amigos de amigos, os amigos distantes, ou seja, os que só foram convidados porque viram alguma coisa no orkut, ou os que tinham que ser convidados só para não ficar chato.

Já ocorrera a valsa, o corte do bolo, as fotos piegas e agora a banda parou um pouquinho, porque todos pediam um discurso do novo marido, antes que a nova esposa jogasse o buquê para as amigas desesperadas.

Ele sobe ao palco com uma tacinha fina, dessas de champanhe, cheia de cerveja, bate no microfone para saber se realmente está ligado e começa.

“Primeiro quero agradecer a presença de todos aqui, até dos que eu não conheço! Segundo, quero mandar um recado aos meus amigos solteiros. Esse negócio que o pessoal fala de casamento ser ruim e tal. Eu, pelo menos, estou casado a três horas e tá beleza! Ainda mais, só em pensar que depois vem a lua-de-mel, então...(aplausos)!

Aliás, essa história também que o pessoal reclama de 'ah, fazer sexo com a mesma pessoa para o resto da vida é ruim demais'. Pessoal, você só vêem o que seria ruim! Mas entendam assim, você não precisa conquistar mais ninguém para levar à cama! Só Chegar com um vinhozinho, um chocolate, faz uma brincadeira e pronto, já tá valendo (aplausos menos entusiasmados que o primeiro)!

E outra coisa quanto a isso, pelo meno eu pretendo, conforme nossos dias de casados irão aumentar, ir variando e experimentando novas coisas! Vou até comprar um kama sutra (aplausos menos entusiasmados ainda)!”.

Ele olha para a esposa, toda envergonhada, e dá um sorriso e uma piscada de olho. Só então os aplausos voltaram ao entusiasmo inicial. Então que ele continua.

“Pois bem, tenho que confessar uma coisa. Nunca sonhei em me casar, mas sonho em ter filhos. O casamento me servirá apenas como credencial para o meu sonho. Porque, não importa a situação do cabra: se ele tem filho sendo solteiro, é sempre irresponsabilidade, já se filho vier depois de casado, sempre podemos fingir que foi planejado (muitos aplausos)!

Gente, falando sério, até agora eu só tava rindo para não chorar (interrompido por risadas generalizadas)! Mas agora é sério mesmo. Eu tava brincando assim, porque, enfim, estamos numa festa, mas quero dizer que essa data é muito importante para mim. Não importa o tanto que dizem que casamento não vale mais nada, só dá pra saber se não vale mesmo se pelo menos tentarmos. Por isso tou aqui, casando com quem quero viver para o resto de minha vida, não necessariamente casado. Se não der certo, a gente se divorcia e continua namorando (Aplausos que não acabavam mais)!

Obrigado pela presença e consideração de todos!”.

Depois foi só descer do palco e cumprimentar praticamente todos os convidados da festa que queriam lhe parabenizar pelo discurso.



CA Ribeiro Neto
---------------------------------------

* De um total de 1519, a minha crônica 'Agentes na passiva' está entre as 100 melhores do II Prêmio Literário Cidade de Porto Seguro-Crônicas. E concorrendo ao prêmio de 1000,00 para a melhor crônica, que sairá dia 2 de janeiro!
* Pouco mais de uma semana para as férias... socorro!!!!
---------------------------------------

ESCUTANDO NO MOMENTO: Berimbau - Na voz da minha musa Nara Leão
LENDO NO MOMENTO: Do Contrato Social - Rousseau - Pg. 35 (Nas férias eu prometo que desconto isso...)

Boa Sorte

8 comentários:

Marília disse...

Oxiii... Berimbau, me lembra Capoeira... saudades... não estou indo treinar... ô final de faculdade atrelado... desculpas ai Fofuxo por não estar comentando, mas é que estou muito aperriada... tô acompanhando quando posso, beijão... saudades...

Marília disse...

ha esqueci,rsrsr, tô lezada mesmo... com relação ao texto... FA-BU-LO-SO!!!... quando o personagem noivo brinca, mas no final acaba que falando o que realmente esperava daquela fase de sua vida, e fala com muito sentimento que estava ali tentando, viver para o resto da vida com a mesma pessoa, e que se não desse certo, se divorciaria e continuaria namorando, rsrsrsr... parece que o que acontece com a maioria dos relacionamentos... antes do casamento, era paixão, fogo que ardia, flores de perfume inacabável ou coisas do tipo. Depois do casamento, a maioria dos casamentos esfriam, cogelam, e chegam as vezes até cheirar mal... Pq isso acontece mesmo????

Hermes disse...

acontece porque a monogomia não faz parte do estado de natureza do homem. Depois comento aqui Carlim.

Marília disse...

hahahaha, Hermes??? Fala Sério né...

Pedro Gurgel disse...

Esse cara aí do discurso, hein?!?!?

Paulo Henrique Passos disse...

"Esse cara aí do discurso, hein?!?!?" [2]

"Eu, pelo menos, estou casado a três horas e tá beleza!" Essa foi a frase que mais me fez rir.

Thiago César disse...

"Se não der certo, a gente se divorcia e continua namorando"

falando assim parece ser simples demais, neh carlos...

como se as pessoas e a relação entre elas saíssem ilesas de algum tempo de convivencia diária.

=P

Hermes disse...

Eita, eu falei sério. O homem não nasceu monogâmico. Eu hein...

Quanto a crônica, Carlim:
Foi mal pela demora, já que eu era o que mais cobrava uma. Eu já li no teu livro, essa. Mas to lendo de novo agora. Pronto. Qual é o problema em falar de times locais? Já que agora temos um na série A, então é ótimo! heuaheuaheuahe. Essa crônica é muito boa. Primeiro que situa o leitor no nosso tempo atual, moderno, e logo depois retoma um tema já tão comum, porque afinal, é uma crônica, que é o casamento, sobre a fidelidade no mesmo e o fato de viver com a mesma pessoa pelo resto da vida. E as saídas apontadas pelo cara do discurso é bem interessante, fazer o divórcio e depois continuar namorando. 10 anos depois outro casamento...ehauheauhea.