A dança da alegria

A dança da alegria - CA Ribeiro Neto

quinta-feira, 18 de março de 2010

Editorial do 2º NEM

Começando mais uma série, 'Editoriais do NEM', infelizmente começo com o editorial da 2ª edição, pois fizeram o favor de oferecer meu único exemplar do 1º NEM a uma professora sem me consultar... Para quem não conhece, o NEM é a publicação literária feita pelo APPLE, agora chamado de Grupo Eufonia de Literatura, mas infelizmente este projeto está parado. Na época, a intensão era que revezássemos na editoração, mas - sabe-se lá porque - eu fiz quase todos. Os NEM's ficaram marcados pelas pequenas polêmicas causadas pelo público-leitor do CEFET, pelas ideias progressistas que sempre apoiamos, não tão aceitas assim. Vejam só.


Editorial do 2º NEM


" Poesia é a emoção (pessoal) através da palavra", definição retirada do livro 'Estudo dirigido da Gramática Histórica e Teoria da Literatura'".


Encarar a poesia como forma de expressão subjetiva e intrapessoal – tanto para quem escreve, quanto para o leitor – nos faz pensar nas regras impostas a ela. Exigir rima e métrica seria deixar a poesia mais inteligente ou seria castrar a criatividade do autor?


A poesia é fruto de um ou mais sentimentos, e a habilidade do escritor consiste, justamente, na transformação dos sentimentos em palavras. Dessa forma, sua poesia será construída de acordo com o que ele sente.


Se 'n' poesias falaram sobre amor, foram escritas 'n' textos diferentes, pois cada poesia é única, assim como todo amor.


É contraditório, então, querer julgar a poesia pelas palavras utilizadas e não pela ideia que é transmitida; definir um texto em poético ou não-poético pela presença ou não de rimas e métricas, se o que é relevante é o sentimentalismo do autor.


Leiam agora o nosso 2º NEM, quer seja poesia ou não, leiam nossos sentimentos.


CA Ribeiro Neto

--------------------------------------------------

* Vou tentar providenciar a 1ª edição, mas não garanto nada!
* Quem quiser as edições do NEM em versão e-book é só me pedir!
--------------------------------------------------

ESCUTANDO NO MOMENTO: O crime não compensa - Jackson do Pandeiro - CD O Rei do Ritmo

LENDO NO MOMENTO: Estou num ritmo de leitura muito avançado, da quinta passada para cá terminei o Almanaque Armorial do Ariano Suassuna, li o Benjamim do Chico Buarque e comecei hoje o Corpo de Drummond - Pg. 13

Boa Sorte

10 comentários:

Marília Maia disse...

Eu acho que ainda tenho o primeiro NEM... posso ver para ti!

Bem, vamos lá! Nessa época ai, eu não cheguei a escrever muitos poemas (poesias)... Hoje em dia já estou mais propensa a escrevê-los. No entanto, para quem acompanha as postagens no meu blog, sabe muito bem que não sigo regras, meus poemas/poesias na sua maioria são sem rima, métrica... ou seja, sem aquelas regrinhas básicas de produção de poemas... Desculpa ai, gosto de escrever assim, não seguindo padrões... :~(

Quanto as publicações do Nem, estão paradas!? Então vamos lançar novas edições.
;)
beijão.

Marcella disse...

Por um editorial desses que vc é cronista.
:p

Nao estou falando mal das suas poesias.

CA Ribeiro Neto disse...

Mas, acima de tudo, acho que para você rejeitar as regras, é preciso primeiro entendê-las. Não acho certo dizer que não gosta de métrica, por exemplo, se não compreendê-la e até experimentá-la.

Jéssica de Sousa disse...

"Se 'n' poesias falaram sobre amor, foram escritas 'n' textos diferentes, pois cada poesia é única, assim como todo amor."

Assim como cada autor também =D

Thiago César disse...

parabéns, carlos augusto!

Marília Maia disse...

Eu já experimentei e tb compreendi... Mas, não faz o meu estilo... Claro que, algumas vezes fica até legal. No entanto, o meu estilo mesmo é aquele que todos estão acostumados a ver no meu blog... posso evoluir? Sim! Claro! Mas também, não posso rejeitar um estilo que já faz parte de mim...

Ok!
;)
Beijão!

Paulo Henrique Passos disse...

Concordo que o mais importante na poesia é o sentimento, ainda que algumas rimas e métricas ajudem também na passagem desses sentimentos. Mas não é necessário perceber essas coisas de métrica e tal pra perceber o sentimento. Essas coisas ficam pros doidim de Letras, ou pra quelquer doido, hehehehe

Ah, eu vou querer as ediçõe do NEM.

Veleu!

Freddy Costa disse...

O NEM deveria voltar, dou mó apoio...

Mehazael disse...

Talvez por eu ser um 'doidim da letras' que eu preciso dizer que discordo amplamente dessa afirmação. Apesar de reconhecer que sentimento é, sim, importante, sigo muito da filosofio do (Edgar Alan) Poe, que destrinchou seu poema 'O Corvo' (para quem não consegue ler em inglês, sugiro a tradução de Fernando Pessoa. Muito boa) no texto 'Filosofia da Composição'(o texto completo traduzido pode ser encontrado aqui: http://www.elsonfroes.com.br/filosofia.htm). Ele demonstra todo o processo racional por trás de uma das grandes obras-primas da literatura moderna, que resultou em um poema belíssimo e de grande qualidade.
Bom, não quero me estender, nem dizer que o que está ali escrito é falos, acho que há, sim, lugar para sentimento. Mas, até pelo que sinto na pele, uma grande parte do trabalho de qualquer autor é suar a camisa pra fazer o texto sair perfeito. Até porque, o leitor só vê sentimento se o texto está bom. Se o texto for ruim, ele vai ler um texto ruim, e não um poema que exale de amor.
Mas, claro, essa é a minha visão de 'doidim de letras' (adorei a expressão). hauheuahueheuehueheuha
Abração.

ps: pode me mandar o link da comunidade, sim, que entro lá. Acho que finalmente vão descobrir minha verdadeira identidade. hauehuehueha

pedro disse...

PUTZ!!!!

É O NOOOOOOOOOOOOOOOVO!!!

DOREI DEMAIS!