A dança da alegria

A dança da alegria - CA Ribeiro Neto

quinta-feira, 31 de março de 2011

Serenata Interrompida

Terminei hoje um texto que havia começado há uns dois anos. Saiu bem melhor do que se eu tivesse escrito naquela época!




Serenata interrompida



Fábio vacilou com a Karine. Traiu-a, foi visto, chegou atrasado no dia que foi argumentar alguma defesa e ainda deu um murro no cara que o denunciou. Então, para tentar reconquistá-la, só restava apelar para as cansadas atitudes 'romantiquinhas': fazer uma serenata.
O pelotão foi formado pelos amigos que sabiam tocar alguma coisa: Juninho no violão, André na flauta e Gabriel na meia-lua. Prometeu uma garrafa de pinga para os músicos e, o maior erro, deu-a antes do cortejo. Dizem as más línguas que eles já vinham melados de um boteco qualquer, receberam o bendito litro de Fábio e rumaram, bebendo, para a casa da donzela.
Antes de chegar à residência objetivada, eles já estavam falando aos berros, chamando a atenção de quem dormia. Já passava de meia-noite e quem não dormia, no mínimo, queria silêncio.
Em frente à casa da moça, o mais próximo possível da janela dela, prepararam-se para tocar, quando chega um vizinho, rapidamente.
- Ô Fabão! Faça isso não, macho!
- Que é isso, Arthur! Eu amo essa mulher, cara! Preciso dela novamente comigo!
- Fábio, tu já se perguntou sobre esse carro aqui na frente? O carro tá em frente a garagem da casa da tua ex-namorada.
- Não, macho! Ela tá com raiva de mim, mas ainda me ama, não tem outro cara com ela lá não...
- Bem, se eu fosse você não arriscaria.

Fábio e sua reca então decidiram ir embora, André começou a tocar “Lembranças”, de Nélson Cavaquinho, e sumiram da vista do vizinho solidário.

***

Meia-hora depois, o alarme antirroubo do carro estacionado na frente da casa de Karine é acionado por uma garrafa vazia de cachaça jogada no capô. Entre o som do alarme estridente e o barulho do litro se quebrando, ouve-se a correria e a gritaria de quatro bêbados vândalos. O dono do carro, que estava bebendo num bar lá perto, estava muito bêbado para correr atrás dos meliantes, olhou para seu carro, desligou o alarme com o controle e tomou mais uma dose.
Arthur, olhando pela veneziana da janela da frente, comemora intimamente por ter evitado a reconciliação do ex-casal. Agora, julga ele, terá mais chance com Karine, seu amor de infância.


CA Ribeiro Neto
--------------------------------------------------

ESCUTANDO NO MOMENTO: Carne Negra - Seu Jorge e Farofa Carioca
LENDO NO MOMENTO: Luzia-Homem - Domingos Olímpio - Terminado / As Religiões no Rio - João do Rio - pg. 1 / Amor a céu aberto - Flora Figueiredo - Pg. 30.

Boa Sorte

6 comentários:

Camila disse...

ooolhaa... (:

Até onde me lembro, ainda não tinha lido nenhum conto teu. Já disse e repito: sou apaixonada por contos. *.*

Gostei bastante da tua forma de narrar: leve, engraçada, contemporânea. Tem um jeito meio moleque e despretensioso, sabe? Gostei bastante mesmo. E gostaria de ler mais contos nesse blog, rum!


(:

Thiago César disse...

nao entendi quem é essa leila... o nome da mulher que ele traiu e queria de volta nao eh karine?
outra coisa, esse "mah" de MSN tah meio foda... hehe! se for pra escrever um conto com linguagem popular, pelo menos bota "má", mah!

A moça da flor disse...

huaehuhaeuhe eu ri do comentário do Cabeça "mah". Concordo com ele...
e Também fiquei na dúvida quanto a quem era quem...
Mas achei bacaninha o conto..
rapidinho, bem escrito, sem complicação.
pronto seu moço.. que é isso sou uma alguém que respeita as pessoas hauheuhea
blogroll atualizado =)
gente nova vai entrar é?

ciarlini disse...

Mas que final tenso!Mas acabou por ser engraçado. Vlw Gostosão, tá legal!

Hermes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
hermesveras disse...

Creio que a melhor parte desse texto é o vandalismo dos bêbados, eu sempre acho essas coisas muito engraçadas. Eu não imagino mais pessoas fazendo serenatas, eu até que faria! E acho que o André é tu, hein!